3 de dezembro de 2010

oro.

das roupas mais belas
dos laços do enlace
das raízes profundas
da superfície das relações
daquilo que penso, 
daquilo que julgo, 
do limite da fuga, 
do abandono do jogo,
da forte pisada, 
da leveza do equilíbrio, 
cuide... 
de nós.
Ontem, decidi abrir o diário subjetivo da coragem para um dia contar tudo.
Hoje, mudo.

Um comentário:

Rafa disse...

"o diário subjetivo da coragem", vale título.

te amo um monte!