16 de agosto de 2010

Publico paranóias expondo lamúrias frívolas.
Ele insiste em enxergar além dos vestidos e ela persiste em acordar desolada... 
Aflita, rompi o pacto da segunda ordem e bato desordenadamente letras no teclado.
Aflita. Assim começa a primeira oração aprendida no jardim da infância. 
No jardim de areia sem flores com cheiro de papel mimeografado e sabor de bebida fermentada horas na lancheira. 
Apego boêmio graças às lembranças.
Apego boêmio pra apagar outras.
Distraio, desvio e falo de santo...
Eu confiava.

2 comentários:

Rafa disse...

pela ordem, amor!
beijão!!

M.V. disse...

Distraio, desvio e falo de santo...