7 de dezembro de 2012

amo listas.


18 regras para viver.
Enunciados pelo XIV Dalai Lama
1. Saiba que grande amor e grandes conquistas envolvem grande risco.
2. Quando você perder, não perca a lição.
3. Siga os três “R”s:
Respeito por si mesmo.
Respeito pelos outros.
Responsabilidade por todas as suas ações.
4. Lembre-se que não conseguir o que você quer às vezes é uma maravilhosa sorte.
5. Aprenda as regras para que você possa quebrá-las apropriadamente.
6. Não deixe um pequeno conflito machucar uma grande amizade.
7. Quando você descobrir que cometeu um erro, tome medidas imediatas para corrigi-lo.
8. Passe algum tempo sozinho todo dia.
9. Abra seus braços para a mudança, mas não abandone seus valores.
10. Lembre-se que o silêncio às vezes é a melhor resposta.
11. Viva uma boa e honrada vida. Quando você olhar pra trás e refletir, vai poder aproveitar uma segunda vez.
12. Uma atmosfera amorosa em sua casa é a fundação para sua vida.
13. Nas discordâncias com aqueles que amamos, lide apenas com a situação atual. Não traga o passado.
14. Compartilhe seu conhecimento. É uma maneira de alcançar a imortalidade.
15. Seja gentil com a Terra.
16. Uma vez por ano, vá para um lugar que você nunca foi antes.
17. O melhor relacionamento é aquele em que o amor de um para o outro é maior que a necessidade de um pelo outro.
18. Julgue seu sucesso pelo que você teve que largar para alcançá-lo.

23 de outubro de 2012

30 boas lembranças pra não enlouquecer na crise dos 30

(Meus 4 anos! Adoro essa foto!)

1. Viver a infância com duas irmãs da mesma idade.
2. Brincar de amarelinha e queimada na rua da casa da avó.
3. Brincar que está dirigindo na máquina de costura manual.
4. Ter um cachorro vira-lata, que fugia de casa, rolava na carniça dos terrenos baldios, colocar o nome dele de Trovão (por causa da novela da época) e sofrer até hoje pela morte do danado.
5. Ir pra Santos de Kombi passar as férias.
6. Cuidar das plantas pra fugir do 'bullying' na viagem familiar e por conta disso ganhar uma romã todo natal da árvore que plantei.
7. Casar muito jovem com crise de identidade e descobrir o desamor com muito tempo pra sonhar.
8. Estudar artes, largar tudo e me envolver com “o pessoal teatro”.
9. Curtir a vida adoidado com amigos artistas.
10. Desistir “dessa vida” pra contar com um salário e me dedicar mais à família.
11. Ler os melhores livros da minha vida em voz alta, na ida e na volta do trabalho, enquanto a tia-madrinha-amiga dirigia.
12. Estudar corte-costura.
13. Investir tempo em poesia e fazer amigos poetas.
14. Me apaixonar pelo canalha, aproveitar o canalha e desistir a tempo.
15. Comer uma panela de brigadeiro, assistindo filme épico, numa tarde de domingo chuvosa.
16. Viajar de lua-de-mel com minha mãe.
17. Ser tia antes de ser mãe e arrancar sorrisos dos mais sinceros dos filhinhos emprestados.
18. Ganhar uma afilhada num dia triste e morrer de saudade toda vez que lê alguma novidade dela na rede social.
19. Ter uma mãe severa e vê-la amolecer e babar com o nascimento dos netos.
20. Ter um pai que rende um bom dramalhão mexicano.
21. Brincar, rir, dançar, cantar, tomar porre ou cappuccino e colecionar histórias com pessoas finas, elegantes e sinceras (meus amigos).
22. Me apaixonar pela juventude e viver por um segundo.
23. Ter uma amiga bacana, que de quebra é tatuadora e ganhar uma tatuagem pequena, depois uma média, depois uma grande, depois outra...
24. Comprar ingressos antecipados para um grande festival de rock, ficar ansiosa pelo dia, me arrepender no dia seguinte e ano que vem repetir a dose.
25. Querer fugir do mundo e conhecer um bom companheiro.
26. Ter um primeiro encontro inesquecível e desejar emendar a eternidade nele.
27. Jogar baralho com os sogros numa manhã de domingo.
28. Tirar carta de motorista com quase trinta anos e ter um namorado generoso que empresta o carro pra treinar.
29. Me descontrolar por conta de todas as pressões e conhecer um mundo novo cheio de possibilidades.
30. Querer escrever mais 30 (e mais 30 e mais 30...) boas lembranças e ainda ter disposição pra planejar mais.

*inspirado nas  "40 lembranças que me inspiram a fazer xis fora da foto" do aniversário de 40 anos do poeta Fabrício Capinejar.

21 de setembro de 2012

dias cheios de lembranças e noites iluminadas

"Os prazeres do amor são males que se fazem desejar, onde coincidem a doçura e o martírio, e o amor é involuntária insânia, paraíso infernal e inferno celeste - em resumo, concórdia de ambicionados contrários, riso doloroso e friável diamante" 

Umberto Eco, eA Ilha do Dia Anterior


18 de setembro de 2012

"Espero alguém que comente sua dor com respeito e ouça minha dor com interesse. Espero alguém que prepare minha festa de aniversário em segredo e crie conspiração dos amigos para me ajudar. Espero alguém que pinte o muro onde passo, que não se perturbe com o que as pessoas pensam a nosso respeito. Espero alguém que vire cínico no desespero e doce na tristeza. Espero alguém que goste de domingo em casa, de acordar tarde e de andar de chinelos, e que me pergunte o tempo antes de olhar para as janelas."

Carpinejar.


11 de setembro de 2012

No instante: 
da alma com fome,
das explosões internas,
tudo atinge violentamente
e desaba.
Correspondo na mesma intensidade.
A realidade é um espaço híbrido.
A composição 
fertiliza minha loucura 
mais angústia
menos serenidade.
não me falem de amor
essa substância asfixiante.

10 de agosto de 2012

"Não há nada mais fácil do que amar quem não temos, quem nos falta, isso se chama estar apaixonado e está a alcance de qualquer um. Mas amar quem temos, aquele ou aquela com quem vivemos, é outra coisa! Quem não viveu essas oscilações, essas intermitências do coração? Ora amamos quem não temos; e sofremos com essa falta, ora temos quem já não nos falta; e nos entediamos. 'Há duas catástrofes na existência, dizia Shaw: a primeira é quando nossos desejos não são satisfeitos; a segunda é quando são". André Comté-Sponville.





14 de junho de 2012

fica o que se quis.


Nesse momento da vida, 
todos desejos voltados para uma garrafa de uísque. 
Um copo diário, acompanhado do bom jazz do vizinho.
Aquela dose única que amenizará qualquer desconfiança na vida. 
Dose extra pra maldita incerteza "do onde isso tudo vai dar".
Uma pedra de gelo, um canto do sofá,  pernas cruzadas.
Combinação perfeita e longe de charme: 
melhor defesa contra frases bem sacadas. 
Meu coração aperta enquanto meu útero vibra.
Noutro momento, aceitei o psiquiatra. 
Desejei ir além de sexo e do papel de mãe do outro.
Ah! Uma garrafa de uísque pra esquecer o empréstimo no banco!
E todo esse conhecimento obrigatório comum e deprimente...
Morte psíquica.
Larguei os psicotrópicos.
Aceitei o emprego do outro lado da cidade pra quitar dívidas.
Quis um amor.
Namoro e outras conquistas
Mas enquanto houver dívidas... 
Aprenderemos: conta pra pagar, é saber um pouco menos um do outro.
Ou de si mesmo...
E te amo não é sinônimo de te banco.
Seguimos rachando despesas, deixando pro amanhã.
Haja romantismo!
Desejo infernal de não seguir o 'assim caminha a humanidade'.
Embora meus hormônios gritem e caminhem para isso...
Sofro de mim mesma.
Dias desses, pensei até em quebrar o cartão de crédito.
Impulso simbólico de não investir em mais nada a longo prazo...
Logo, pensei em parcelar uma garrafa de um uísque gringo e mantive o cartão intacto.
Logo, conclui que preciso (e talvez todos precisem) é investir numa boa companhia. 
Aquele entorpecente exato do dia ruim, a segurança do momento de loucura, o refúgio. 
Pois uma hora, toda essa bobagem acaba.
A dívida quita, a garrafa acaba e o que fica... 
Aquele que tanto se quis...

14 de maio de 2012

Para um dia chorão e uma alma chuvosa.

"Fiz ranger as folhas de jornal
abrindo-lhes as pálpebras piscantes.
E logo
de cada fronteira distante
subiu um cheiro de pólvora
perseguindo-me até em casa.
Nestes últimos vinte anos
nada de novo há
no rugir das tempestades.


Não estamos alegres,
é certo,
mas também por que razão
haveríamos de ficar tristes?
O mar da história
é agitado.
As ameaças
e as guerras
havemos de atravessá-las,
rompê-las ao meio,
cortando-as
como uma quilha corta
as ondas."


E então, que quereis? - Maiakóvski








13 de abril de 2012

lição de hoje:

"Talvez os sexos tenham mais afinidade do que se considera, e a grande renovação do mundo talvez venha a consistir no fato de que o homem e a mulher, libertados de todos os sentimentos equivocados e de todas as contrariedades, não se procurarão mais como adversários, mas como irmãos e vizinhos, unindo-se como seres humanos, para simplesmente suportar juntos, com seriedade e paciência, a difícil sexualidade que foi atribuída a eles.
(...) Por isso, caro senhor, ame a sua solidão e suporte a dor que ela lhe causa com belos lamentos. (...) Alegre-se com seu crescimento, para o qual não pode levar ninguém junto, e seja bondoso com aqueles que ficam para trás, seja seguro e tranquilo diante deles, sem perturbá-lo com as suas dúvidas nem assustá-los com uma confiança ou alegria que eles não poderiam compreender."



Cartas a um jovem poeta - Rainer Maria Rilke

29 de março de 2012

coisa boa de ler

A Relação privilegiada

"Ele não buscava a relação exclusiva (posse,ciúme,cenas); Também não buscava a relação generalizada,comunitária,o que ele queria era, a cada vez,uma relação privilegiada,marcada por uma diferença sensível,levada ao estado de uma inflexão afetiva absolutamente singular,como a de uma voz de timbre incomparável; e,coisa paradoxal,ele não via nenhum obstáculo em multiplicar essa relação privilegiada. Tudo era privilégio,em suma; A esfera amical estava assim povoada de relações duais (daí uma grande perda de tempo: era preciso ver os amigos um a um: resistência ao grupo,à turma,à festinha). O que se buscava era um plural,sem igualdade,sem in-diferença."

Roland Barthes

22 de março de 2012

Meus sentimentos

Sinto muito,
Por entregar meu corpo, ensinar meu sexo, ensinar algo do amor...
Algo.
Qualquer coisa a ser escrita.
Ciúmes, histeria, obsessão... 
Envoltos em hormônios fertilmente desregulados.
Sinto.
Por aprender a beber. Por aprender tanto. 
Por abandonar minha ninfa, enterrar Apolo e arremessar tesouros...
No entanto, sinto.
Sinto a ternura de todos os enfeites fúnebres de Manuel.
O batuque novo do samba antigo do novo amigo...
E sobrevivo.
Para sentir cada emoção, cada clichê
Do acreditar, nesse possível último romance... 

11 de março de 2012

e o domingo foi feito pra isso.

"A frustração torna-se desespero quando a pessoa começa a por 
em dúvida a própria capacidade de significar qualquer coisa para alguém."
de R.D.Laing, em "O Eu e Os Outros"



19 de fevereiro de 2012

"Um corpo quer outro corpo.
Uma alma quer outra alma e seu corpo.
Este excesso de realidade me confunde"

Poema Começado no Fim de Adélia Prado

5 de fevereiro de 2012

9 de janeiro de 2012

Grande

Eu quero saber de gente grande!
Quero saber de gente que sabe o que é paixão e que sabe o que é mudar planos;
Quero saber de gente que se submete ao amadurecimento, nem que seja forçado, esfregado na cara pela vida, mas que entende o recado.
Vejam, em vendilhões do tempo, Jesus desce o cacete em quem não entende.
Quero saber de gente que entende!
De gente que sabe que sofrer faz parte da vida, que mansidão tem limite e paciência também.
Gente que sabe que tudo pode ser uma droga dependendo da dosagem.
Que sabe respeitar e que não brinca com emoções. 
Que sabe o que é esperar o tempo.
Eu quero saber de gente que sabe o que é esperar!
Quero saber de sentar no meio-fio, esperando ônibus sozinha, num sábado à noite, desacreditada num ser humano pequeno que se esconde atrás de bíblia, vídeo-game e autoajuda barata, pra receber o carinho de um amigo pra ver o sol nascer avermelhado refletindo no mar...
Eu quero é saber de gente que sabe o que é ser grande. 
Gente que sabe valorizar cada presente da vida.



8 de janeiro de 2012

porque a violência vem na mesma medida da doçura.

"Até onde ser inteligente para ser idiota?
Os outros disseram que ela era idiota.
Então ela se fez de idiota para não ver até onde os outros 
eram idiotas por achar que ela era idiota, 
pois não ficava bem achar que eles eram idiotas.
Ela preferiu ser idiota e boa
a ser inteligente e má.

É mau ser idiota: ela tem que ser inteligente para ser idiota e boa.
É mau ser idiota, pois assim demonstraria até onde os outros foram idiotas quando lhe mostraram o quanto era idiota."


- de R.D. Laing, em "Laços".



5 de janeiro de 2012

JL, sugestão de hj.

"Pelo silêncio que a envolveu, por essa
aparente distância inatingida,
pela disposição de seus cabelos
arremessados sobre a noite escura:



pela imobilidade que começa
a afastá-la talvez da humana vida
provocando-nos o hábito de vê-la
entre estrelas do espaço e da loucura;



pelos pequenos astros e satélites
formando nos cabelos um diadema
a iluminar o seu formoso manto,



vós que julgais extinta Mira-Celi
observai neste mapa o vivo poema
que é a vida oculta dessa eterna infanta."



Pelo silêncio, de Jorge de Lima

31 de dezembro de 2011

sem você, ele para

"tempo cronológico. fuááá.
tempo do escravo do trabalho 
do homem mercado marcado para morrer.
o tempo não passa igual pra mim ou pra você
(às vezes com você o tempo voa. sem você, ele para)
cada um tem um tempo a ser respeitado.
danem-se os relógios. abominem-se os calendários.
nosso corpo nossa alma requerem outros tempos
não esse do relógio de ponto, da folhinha na parede
percebê-los respeitá-los é o que quero agora"



de Chacal.

27 de dezembro de 2011

eu morri.

Arranquei tudo de mim
abri o fecho 
para o frio entrar. 
Esse arrepio
veio do novo.
Encontro é acreditar.
Promessas são para trair,
paixões são para perder,
amor é para respirar. 
Ser custa esperar, 
ter custa encaixar 
desfazer é se lançar.
Releio para perder o medo 
pois o possível do impossível esse sim é o abismo.
Achei... 
que bastava um colo pra recomeçar,
uma saudade pra atormentar, 
e uma amizade pra distrair... 
Mas eu morri 
pra descobrir a sorte de ter minha alma por perto.


Hoje,
tudo menos minha poesia.
Estou contaminada pela não-paciência de calar
monstros compram distração de miseráveis...
Participo do jogo.
A interrupção é certa
Entorpecer é necessário.


25 de dezembro de 2011

tudo é certo e necessário.

Continuo colecionando flores mortas,
leituras inacabadas e estagnações.
Talvez, eu ainda ame algo...
Estou acumulando cheiro de guardado.
ouso a não-obsessão. 
coleciono promessas de vida...
Aqui, no meu coração, 
tudo é certo e necessário.
E em tempos, visito abismos.

24 de dezembro de 2011

onde há vaidade, não há amor.

"Se dermos aos nossos instintos a liberdade de agir sem restrições, 
eles poderão voltar-se contra nós e despedaçar-nos"

Sobre o mito de Ártemis, em "Jung e o Tarô - Uma Jornada Arquetípica" de Sallie Nichols 

21 de dezembro de 2011

8 de dezembro de 2011

7 de dezembro de 2011

Saio para o amor
ensaio a obsessão...
Ah faça não... faça não...
Hoje, eu sai pra assustar."


(e um "uuuuh"  inesperado no Sarau do Burro)

30 de novembro de 2011

protesto.

Contra qualquer lei do assustar
quero me espelhar em palavras
Ser livre, ser simples, ser sua
e me espalhar...


(contra qualquer paixão que não carrega o mínimo de obsessão)

28 de novembro de 2011

Canção do Amor Imprevisto (Quintana, sempre)

“Eu sou um homem fechado.
O mundo me tornou egoísta e mau.
E minha poesia é um vício triste,
Desesperado e solitário
Que eu faço tudo por abafar.
Mas tu apareceste com tua boca fresca de madrugada,
Com teu passo leve,
Com esses teus cabelos…
E o homem taciturno ficou imóvel, sem compreender
nada, numa alegria atônita…
A súbita alegria de um espantalho inútil
Aonde viessem pousar os passarinhos!”


23 de novembro de 2011

Consumindo, processando, digerindo, suspendendo.

E quase um mês depois,  volto pra dizer que o encontro foi lindo! 
Mas ainda estou sem condições de poetizar... estou numa absorção infernal! 


Meu pai, suas filhas e netos!

27 de outubro de 2011

quando a chuva de verão se faz necessária.

E quando eu decidi fazer (quase) tudo que nunca faria na minha vida... eis que ela traz algo que eu não esperava mais...

Há alguns meses, decidi cometer suicídios psicológicos... ou queda-livres em abismos...  explico:
Pra começar, me matriculei num curso "superior" de contabilidade... E lá fui eu me relacionar com pessoas completamente fora do contexto da vida que esperei ter um dia... 
Insatisfeita (com o curso e com algumas pessoas), sai gastando compulsivamente... saídas e compras descabidas... resultado: estourei  o cartão de crédito! Peguei empréstimo, estourei o cartão de crédito de novo... Enfim, quebrei a porra do cartão de crédito. 
Tranquei a faculdade.
Ainda insatisfeita, e num lapso adolescente, fui pra Galeria do Rock. 
Comprei camiseta de banda, camisa de flanela e coloquei alargador na orelha.
Adorei o alargador! E ao mesmo tempo detestei ter poucas opções para brinco. Portanto, já tirei e minha orelha já voltou ao normal! Ufa.
Não contente, enviei email pra ex-namorado... quebrei a cara, óbvio... e decidi sair pra balada loucamente (e novamente)... 
Foi aí que fiz novos amigos! Maravilhosos diga-se de passagem! E o melhor: do lado de casa! Um presentão da vida!
Corajosa, decidi tatuar! Tatuei: "Afeto", símbolo do I Ching, achei o máximo e vou preencher meu corpo inteiro de rabiscos (brincadeirinha). 
E quando achei que só saltar de paraquedas ou desfilar numa escola de samba completaria o ano das maiores loucuras... eis que um contato via rede de relacionamentos muda tudo... 
Meu pai (meu pai!!!) após 9 anos sem dar sinal de vida, aparece!!! 
E no bom estilo filho pródigo de ser!
De repente, em poucas semanas, um milagre, uma chuva de verão, promessa de vida no meu coração! Muda todo o rumo da prosa! E eu não poderia deixar de escrever tudo isso aqui!
Grande parte das tentativas poéticas, foram inspiradas na humanidade que esse homem plantou  em minha vida! Ou melhor, nossas - mãe e irmãs também.
E não foram só tentativas poéticas... Esse homem deixou  rastros de neuras e destruições em  muitos relacionamentos afetivos... 
Aliás, foram muitas as 'lições' que fizeram com que admirasse cada dia mais minha mãe.  Tudo seguido de perdões e autoperdões por todas as cagadas realizadas de todos os lados... 
E claro, amadurecimento contínuo a cada aniversário distante.
Enfim, o principal: aprendi, que além - bem além de todas as merdas - o amor é incondicional! Sim minha gente! Meu pai está de volta! 
Nunca pretendi tanto ser feliz do que ter razão! 


Domingo será o grande encontro, um almoço... espero que ninguém morra até lá... pois, apesar de estar satisfeita até o momento (doente, confusa, mas satisfeita), estou louca pra vivenciar essa grande experiência do "Vamos abrir as portas da esperança..." 


E que a sorte continue ao nosso lado!


A música perfeita pro contexto.

13 de outubro de 2011

por favor...

"Mas o engraçado é que,
assim que encontrou o lobo, 
a Chapeuzinho Amarelo
foi perdendo aquele medo, 
o medo do medo do medo..."
Chapeuzinho Amarelo - Chico Buarque